• Black Facebook Icon
  • Black Twitter Icon
  • Black LinkedIn Icon

© 2023 by INSTIAD Human & Business School

Please reload

Todas as News

News 38 - A Liderança Como Forma de Mudar o Mundo

March 15, 2016

1/10
Please reload

News em Destaque

News 39 - O Modelo do Pensador e o Brasil

May 23, 2017

 

Estamos vivendo a maior crise de identidade, crenças, valores e princípios da história do país. Digo isso pois trabalho com um modelo que estrutura como pessoas, grupos ou organizações sociais desenvolvem sua dinâmica interna que repercute na externa. Desenvolvi esse modelo que apoia no entendimento do funcionamento de pessoas, grupos e organizações que estrutura os elementos internos que ocasionam os resultados externos.

 

É isso simples de entender.

 

Nós, como sociedade, estamos gerando um RESULTADO péssimo na economia, na política, nos relacionamentos institucionais. Volatilidade econômica, instabilidade política e instituições perdidas acerca do que deve ser feito para o bem do país. Esse resultado não é a toa. Ele advém de alguma causa, de algo que vem sendo feito pelos agentes (cidadãos, políticos, empresários, sindicatos, etc) do país há tempos, ou seja, dos COMPORTAMENTOS desses agentes, seja no âmbito individual ou coletivo. Se queremos mesmo alterar os resultados que estamos obtendo, deveremos alterar os comportamentos que estamos tendo, pois resultados novos devem advir de novos comportamentos. Mas como mudar esses comportamentos? Que resultados, de fato, queremos como país ou nação?

 

Acredito que é aí, nessas perguntas, que surgem os maiores desafios, pois o que de fato influenciam os comportamentos das pessoas? Dado que comportamento é o ato de entrar em ação que precede o resultado, o que faz pessoas se moverem?

 

A resposta: suas emoções.

 

Passamos a vida fazendo apenas duas coisas: ou fugindo da dor ou buscando o prazer (leia-se dor e prazer como dois lados das emoções humanas que são traduzidos por suas variações: tristeza, medo, pânico, alegria, confiança, segurança, etc). Fugimos da rejeição e buscamos a aceitação; fugimos da ameaça e buscamos a oportunidade; fugimos do medo e buscamos a confiança; fugimos do custo e buscamos o benefício. Poderia listar dezenas de binômios que expressem essa dualidade entre a dor e o prazer.

 

Nesse momento, vejo um país fugindo da dor, com "líderes" covardes desenvolvendo comportamentos espúrios e afetando toda a nação. O efeito disso é o clima que toma conta do país: medo, incerteza, insegurança, ou seja, um séquito de emoções que invade o país desde as organizações até os indivíduos. E de onde vem essas emoções? Como essas emoções eclodem e geram o efeito que vem gerando no país?

Isso surge a partir das crenças que desenvolvemos como nação. Acreditamos e tornamos verdadeiro o estado de coisas que agora se instala, como se fosse uma profecia auto realizável. Desde há muito falamos que a classe política não presta e vejo pessoas orgulhosas de dizer isso agora batendo no peito e dizendo: "eu tinha razão". Arrisco dizer que nossas crenças nos governam e, nesse momento, as crenças que tomam conta do país são as mais enfraquecedoras possíveis: "esse país não tem mais jeito"; "nada é tão ruim que não possa piorar"; "o Congresso está tomado de ladrões"; "só há impunidade nesse país"; etc.

 

Esse estado mental leva ao estado emocional. O estado emocional leva aos comportamentos que levam aos resultados. Para haver uma transformação não basta haver apenas uma mudança de comportamentos. Tem que haver uma mudança da forma de pensar, da forma de sentir, que repercutirá na forma de agir.

O país está dividido e, no meu ponto de vista, esse foi o pilar da estratégia de um governo que adotou Maquiavel como inspiração: dividir para governar. Repito: o país está dividido e, nesse contexto, todos perdemos. Faltam líderes de verdade, com disposição para fazer o que tem que ser feito. Ou mudamos nossas crenças individuais, nossa cultura como nação, ou passaremos por turbulências tão dolorosas quanto essa que agora vivemos.

 

Outro ponto que merece entendimento é que nossos comportamentos servem para nos alinhar com nossos VALORES, elementos que atribuímos grande importância e prioridade em nossas vidas. E poucas pessoas têm clareza acerca disso. Isso sendo um fato revela que a maioria das pessoas têm comportamentos errantes, que apenas o tiram da dor, ao invés de levar ao objetivo.

 

Somos um país sem VISÃO DE FUTURO, sem um plano de nação a despeito dos interesses e da agenda pessoal. Um país que se deixa governar por empresas de proteína animal, construtoras, que compram parlamentares e, com isso, o povo. Quantos milhões de votos foram comprados (portanto, quantos cidadãos) quando uma empresa pagou para mais de 1800 políticos atenderem aos seus anseios?

Isso não pode continuar, isso é certo.

 

Mas, O QUE QUEREMOS NO LUGAR DISSO? Sempre que faço essa pergunta não consigo encontrar a resposta, pois o país, repito, está dividido. Os indivíduos estão divididos. As organizações estão divididas. A continuar assim, eu não tenho a menor dúvida do futuro desse país e de quem o irá governar.

Mas temos que querer outra coisa. Temos que querer um país com valores claros, PRINCÍPIOS que definam as diretrizes das nossas ações. A carte de princípios de um país se chama Constituição, mas por aqui esse documento vem sendo vilipendiado à medida das circunstâncias. E um princípio é um princípio porque não muda no tempo nem no espaço.

 

Resumindo: os RESULTADOS que estamos obtendo são advindos dos nossos COMPORTAMENTOS. Nossos comportamentos estão sendo direcionados pelas nossas EMOÇÕES que são influenciadas pelas nossas CRENÇAS que, nesse momento, estão abaladas e enfraquecidas. Nossa base de VALORES está combalida e isso está nos colocando onde exatamente estamos.

 

Os problemas desse país não podem mais ser resolvidos pelo tipo de gente que hoje temos: céticos, cínicos, mentirosos e desonestos. Precisamos de homens e mulheres capazes de imaginar o que nunca imaginamos para esse país. Precisamos de humanos com intenção genuinamente positiva pra si e para todos, de pessoas que realmente investem sua energia no trabalho, na produção, na geração de postos de trabalho, de riqueza, que vivam a vida real.

 

Eu acredito no Brasil e não desisto.

 

Boa jornada.

Please reload

Siga

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Procurar por tags